Monday, December 12, 2005

HDTV @ PT





Alta Indefinição

A motivação para ter uma TV de ecrã largo em nossas casas é cada vez maior. A oferta de ecrãs 16:9 sejam LCD, Plasma e de Retroprojecção abundam nas lojas e cada vez com preços mais convidativos. A Fnac até já dá enfâse ao modelos que são HD Ready ou seja compatíveis com alta definição via HDTV preparando o consumidor para o vindouro formato televisivo. As novas consolas como a Xbox360, a PSP portátil e a futura PS3 já funcionam nativamente como jogos panorâmicos. E até já se vê mais portáteis PC e Mac widescreen do que 4:3. Enfim, tudo aponta que a nova forma de ver os contéudos sejam em que plataforma for é numa visão panorâmica.

A TV de Alta Definição teve bastantes lutas de formatos e fracassos no seu início. A Europa e sobretudo alguns paises nórdicos foram pioneiros a apostar em contéudos em formato HD-MAC muitos anos atrás mas por razões técnicas nunca foi popular entre os operadores televisivos. O Japão teve o seu formato MUSE. Agora o HDTV parece ser a norma a seguir e o Japão e a Europa convertem-se a ele. Na América do Norte operadores como a ABC,NBC, Fox e outras emissoras já tem emissões e contéudos HDTV e populares séries como Lost e Alias são produzidas em alta definição. E até programas mais do dia-a-dia como o talk-show de Jay Leno também já o é.


Jay Leno em HDTV é uma realidade de há muito

No entanto cá só podemos ficar preocupados de como se prepara a transição para o 16:9. A forma como as estações nacionais tratam os contéudos widescreen já disponiveis é censurável. Quando se vê constantemente estações como a SIC e a TVI a exibirem filmes deslumbrantes (como por ex o Senhor do Aneis) em formato Pan & Scan (palavra técnica e elegante para "filmes mutilados") só podemos ficar desapontados. A RTP ocasionamente ainda respeita o formato original de alguns bons filmes e contribuí normalmente para o projecto financiado pela comunidade europeia Pal Plus (que é uma espécie de meia alta definição e é já um projecto falhado) onde aliás tambem a TVI já exibiu alguma (mas pouca) coisa neste formato. Igualmente a estação de serviço público estatal esforça-se em apresentar contéudos nacionais em 16:9 o que é de aplaudir (concertos como o de Madredeus no CCB, telenovelas juvenis como O Diário de Sofia e alguns documentários são bons exemplos). No entanto a falta de interesse e de respeito pelo 16:9 alarga-se aos canais mais modestos. A equipa técnica da Sic Radical demorou a apercebe-se que andava a exibir séries Anime e comédias BBC no formato errado distorcendo proporcionalmente a visão de tais contéudos.

Se já agora há desleixo a transmitir o que há e pouco interesse em criar apetite ao espectador para o ecrã largo o que dizer quanto ao surgimento de canais realmente de Alta Definição? Por enquanto nada ou muito pouco no horizonte. Desde 1998 que se começou nos jornais nacionais a falar sobre a milagrosa Televisão Digital Terrestre que iria mudar as nossas TV's, no entanto a crise económica levou a um desinteresse que provocou adiamentos e incertezas. De avanços efectivos quase nada porque parece que ficou tudo em águas de bacalhau. 2002 era a data de inicío das emissões nacionais. Onde andam elas então? Não andam. A Anacom em 2003 até revogou a licença à única interessada que deu o passo de obter a licença que foi o consórcio PTDP (que integrava a RTP e SIC).

Se por via terrestre (antenas convencionais) não há TV de alta definção, pelo menos por cabo e só somente para os clientes Cabovisão está acessível o canal europeu HD-1 que emite 24 horas por dia. Isto pagando 300 euros (?!?!) por uma setup box e mais 5 por mês. Mas tendo muita gente pago bastante pelo seu televisor topo de gama, bem que pode ser mais uma forma de rentabilizar o investimento. Também se pode aceder por satélite a emissões pagas da HD-1. A inglesa Sky prepara-se igualmente para em 2006 lançar as suas emissões HDTV com uma larga oferta.

Desta forma, no nosso triste Portugal os televisores 16:9 servem tão só e somente para ver filmes DVD e jogar jogos panorâmicos para quem já pagou bem para ter consolas de ultima geração. A Televisão Digital Terreste é no momento uma miragem. E as emissões nacionais PalPlus são escassas. E mesmo o que podia ser emitido em baixa resolução mas com ecrã panoramico como por ex. os filmes não o são. E assim é ver os lojistas a terem de se escudar em demonstrações de filmes/DVD Demos para venderem os televisores panorâmicos. Outros vendedores realmente inconscientes exibem as regulares emissoes 4:3 num forçado 16:9, ainda por mais com televisores de cores mal reguladas e sinal de antena medíocre.

Em 1998 o DN publicava o título. "Revolução Digital chega a Portugal. Em 2001 os portugueses vão ter de comprar novos aparelhos de TV. O Governo vai avançar rumo a uma nova era televisiva." Agora passados quase 8 anos resta-nos rir desalmadamente com esta notícia.

6 comments:

Atomo! said...

Pois... o HDTV só pode ser uma brincadeira em Portugal. Mas apenas se poderia estar à espera disto.

Veja-se o exemplo da TV interactiva da TV Cabo, que enterrou largos milhares de contos nessa tão 'revolucionária' tecnologia, na altura participando numa experiencia vista como sendo pioneira na Europa (Portugal foi um dos poucos países escolhidos pela Microsoft para lançar a sua plataforma ITV, e talvez se perceba porque... porque a TV Cabo são uma cambada de otários) para depois se enterrar por completo num projecto que nem mesmo já a própria MS conseguia salvar...

Mesmo assim, e pelo que ouvi dizer a Cabovisão, que deveria ser líder de mercado na TV por cabo (oferece mais qualidade aparente e sinceramente não percebo como é que alguém pode ser cliente da terceiro-mundista TV Cabo), estará já a investir na HDTV, algo que o grupo PT negligênciou à 5 anos atrás.

Se isso se confirmar, nem tudo estará perdido... pelo menos assim espero

Atomo! said...

Já agora, corrigindo e completando o meu post anterior (desculpa estar a alongar-me):

Mas a génese do problema está mesmo nas célebres hesitações dos governos Europeus que andaram às turras com vários formatos (algo que de certa forma referes quando falas no Pal Plus, um formato que tentou corrigir essa falta de iniciativa).

Para o HDTV, ou a falta dele, é mesmo necessário vontade de investimento, e isso não será feito por terras lusas tão cedo.

Já agora o serviço HDTV da Cabovisão já começou? se é pago e apenas num canal como referes então a coisa já começou mal :P

Nuno Barros said...

Tanta coisa para responder! Por partes:
- A Cabovisão não pode ser líder de mercado porque tem de se confinar por lei a certas zonas para não entrar em concorrência com outras operadoras (Bragatel, TVCabo, etc). A Cabovisão não está a investir per si quase nada em HDTV. O que faz é quase somente retransmitir o sinal de um operador internacional de HDTV e vender as setup box e o pacote como se faz lá fora. É quase como somente um agente de vendas. As emissões pelo que li já começaram sim. O marketing e site da Cabovisão é tão fraco que nem se descobre além do logo da HD-1 mais informação sobre o facto.
- Os contéudos HDTV na Europa são quase todos pagos pois a produção é muito cara. Só quase na América os conteúdos são geralmente gratuitos e até a PBS emite em HDTV. USA quanto a HDTV é outra divisão. O interessa na Televisão Terrestre Digital portuguesa é que aí sim seria HDTV para todos, de sinal livre e realmente poderia impulsionar o HDTV no país.

Nuno Barros said...

- Quanto á luta dos formatos infelizmente acontece em tudo por causa dos consórcios, dos fabricantes, da indústria de contéudos. Os governos até normalmente pouco se metem mas na altura a Europa estava naquele idealismo megálomono e a CE achou por bem dar uma forcinha. Não é só no tv de alta definição que estas guerras estragam sempre tudo. Foi o que aconteceu por ex. com o VHS/Betacam em que ganhou o mais fraco técnicamente e sucede agora com o Blue-Ray / HD-DVD com todos ás turras quando até quase houve um acordo. E provavelmente o Blue-Ray vai ser o vencedor logo que a PS3 for lançada. Acho que ganhavamos mais como o HD-DVD. :(
- Quanto à TV Interactiva, ui, dá pano para mangas. Até acho que hei-de colocar um post sobre isso. Obrigado por falares no assunto. Belo flop sim. Eu fiz contéudos para TV interactiva e sei bem o que aquela caixa signfica. Resposta rápida: O projecto já estava enterrado antes de nascer. Mas olha que num futuro próximo é capaz de voltar de nascer noutra incarnação.
- E Fizeste muito bem em prolongar o post! É bom ver que alguém se interessa e sabe destes assuntos. Obrigado pelo feedback:)

Ricardo Cabral said...

A título de curiosidade, ontem, durante o telejornal da RTP1, observei que uma câmara tinha as letras HD, cromadas e tudo. Se o canal já tem equipamento para HDTV, porque não iniciam as transmissões? Ainda estão dependentes da há muito prometida mudança das antenas?
Penso que este assunto já foi mencionado, de forma superficial, no programa "Provedor do Telespectador" em virtude das queixas apresentadas por causa da qualidade da imagem. Acho que seria boa ideia voltar a questionar sobre isso, dando mais enfoque ao HD.

Nuno Barros said...

A reposta é simples. A emissão HDTV dependia da licença e regulamentação. Como te respondi no outro post só agora com a aprovação da nova lei da televisão há dias atrás isso é agora possível. Ter equipamento HDTV até nós podemos o ter por menos de 200c agora. A licença para emitir contéudos nestes formatos já é outra coisa porque a RTP já tem contéudos HDTV há muito. A RTP também já está preparada para o desafio... Mas o público não. Ainda falta implantar os receptores Digital Terrestre e isso ainda vai demorar.