Saturday, July 22, 2006

Docs by Gore





Verdades Incómodas

- Eu chamo-me Al Gore. Eu estive para ser o próximo presidente dos Estados Unidos.
(gargalhadas e aplausos na assistência)
- Eu não vejo onde está a piada.

Não, realmente nem tem piada. Al Gore é o presidente americano que o devia ter sido e não o foi. O mundo e até a América estariam certamente melhor. Isto porque Gore prefere preocupar-se como os reais problemas do mundo em vez de atribuir como Bush Filho todos os males do mundo a "terroristas" tentando eliminá-los onde quer que se encontrem. Pensar nos futuros problemas energéticos é para o actual presidente americano invadir países assegurando o controle das restantes reservas de petróleo. Toda esta obsessão terrorista aproveitando o medo do povo americano de um novo 9/11 sempre foi uma desculpa para a Casa Branca se alhear aos reais problemas económicos, sociais e ecológicos que o mundo (e o país dele) atravessa.

Dos políticos americanos, sempre gostei de Al Gore, que é um dos poucos políticos que me parece poder trazer uma nova esperança ao Mundo. Fiquei triste quando não foi eleito em 2000, mais triste de que x ou y tenha sido ou não eleito em Portugal. É que os EUA são o gigante em que as medidas de um presidente afectam o resto do Mundo e mais que qualquer decreto assinado por um presidente português afecta realmente Portugal. Vejamos os efeitos da Guerra no Iraque na nossa vida e a crise provocada. Mas infelizmente para o mundo os EUA são um país estranho onde o candidato com mais votos não tem direito a se sentar na cadeira da presidência como sucedeu na eleição Bush/Gore.



Promovido e apresentado pelo mesmo Al Gore de que falo anteriormente, An Inconvenient Truth, é um novo documentário exibido nos cinemas. Tendo como ponto de estudo as alterações climáticas mundiais, é um alerta de que não nos podemos distrair mais e finalmente temos de corrigir os problemas que o Homem provocou na Natureza. Para um americano, a hípotese de uma qualquer ilha ou cidade remota ser inundada provavelmente não lhes importa muito. Por isso Gore mostra também como o problema do aquecimento global afecta os americanos, aliás principais destinatários deste manifesto. Ao falar no porquê do furacão Katrina e de toda a praga de intempéries que os EUA ciclicamente sofre Gore espera inquietar os americanos. Gore explica-lhes as causas e as consequências de não se agir rapidamente. E faz-o não porque é um pessimista mas sim um realista criticando não só a passividade politíca dos dirigentes mundiais mas também o alheamento moral e etíco da Humanidade em geral.

Em Portugal parece que não está por enquanto prevista a sua exibição, esperemos ao menos que um canal generalista o transmita um dia. Mais informação e trailer em http://www.climatecrisis.net/

1 comment:

xá-das-5 said...

O problema é que o nosso amigo Al não demonstra nenhum cuidado com a sua própria saúde.
Aquilo é um emborcar de Big Macs que dói...