Monday, June 19, 2006

Roughnecks - Starship Troopers



Buuuugs!



Quem sempre venerou a faceta mais bélica de Aliens (James Cameron) pode ter ficado desgostoso por faltar uma certa "caça aos bichos" nos outros filmes da saga. De alguma forma o universo do filme Starship Troopers de Paul Verhoeven pode ser considerado como uma espécie de concretização desse desejo de muita carnificina alienígena e de muitos marines massacrados como se fossem "carne para canhão". Se isto até pode ser um deleite para certos fãs de Aliens, o filme de Verhoeven em si, foi sim bastante criticado pelos adeptos do livro original Starship Troopers de Robert A.Heinlein. Sucede que além de "adulterar" as personagens originais da novela, muita da tecnologia quotidiana como armaduras e robôs de combate foi deixada de fora no filme (ao que se sabe por razões económicas e de produção). Mas haverá na verdade alguma novela que resista a uma adaptação de Hollywood? Poucos, muitos poucos e o filme Starship Troopers não é um deles.



Roughnecks - The Starship Troopers, uma série de animação 3D televisiva aproveitando o franchising está a meio caminho do filme e das novelas. Se por um lado continua a aproveitar os personagens e a história do filme, ao menos consegue ter a "liberdade" produtiva de ir mais longe na materialização do universo de Heinlein. Nesta série já são apresentadas as armaduras mecanizadas, os robots de combates, o abundante uso de armas nucleares, outras raças e muitos outros elementos que o torna mais fiel ao livro. Igualmente os soldados da Infantaria são muito mais resistentes e não morrem tão facilmente como no filme. Pela negativa, e com muita pena, a sempre interessante (e polémica) faceta satírica e política do filme (e crucialmente basilar nos livros) foi removida.


Hey! Já não vi naves parecidas em qualquer lado?

Roughnecks apesar de não deslumbrar e de não ter sido um marco na animação computorizada foi no entanto um ambicioso projecto no género que tenta concorrer num sector onde a animação 3D televisiva sempre foi caracterizada pela hegemonia da produtora Mainframe (Reboot, Transformers BeastWars, Spider-Man). E como tantas produções televisivas foi mais uma das séries que nunca foi realmente completada. Do plano original quatro episódios da parte final da história (estavam previstos 40) nunca foram concluídos. A série foi uma produção problemática ($!) e a sua execução foi até mesmo feita com recurso a diferentes empresas CGI. Para cumprir calendário televisivo foi mesmo remontado material usado criando "novos" episódios.



Após alguma insistência de fãs a Sony/Columbia lançou tímidamente DVD's em separado de quatro campanhas militares dos Roughnecks (5 episódios por campanha/DVD). Ainda lançou um DVD suplementar com o material "inacabado/remontado" e um dos episódios finais. Satisfeita com o sucesso da vendas decidiu depois lançar finalmente (no ano passado) todo o material numa caixa económica mas luxuosa mas comprimida em quatros DVD's (cada um com duas campanhas). Mas como não há bela sem senão sacrificou-se os comentários áudio que anteriormente estavam presentes nos DVD's "avulso" já que não havia espaço para mais.



Em Portugal a série foi exibida já dobrada (na RTP ao que me lembro) e a Lusomundo lançou ao que sei as quatro campanhas DVD's editadas lá fora mas não o DVD suplementar ao que parece. Se a caixa vai ainda ter edição nacional isso já não sei mas pensando no tempo que já passou desde o lançamento original não o creio. É pena e lá se tem recorrer ao "import". Isto para se ter mais de 700 minutos de muito barbecue de "aranha", numa série que agradou aos adeptos de Starship Troopers que sejam gregos ou troianos ou por outras palavras da versão livro ou filme. Recomendado a fãs e a xenófobos intergalácticos...

Classificação

2 comments:

xá-das-5 said...

Mas tu acreditas que a malta que mandou abaixo o filme não percebeu que o Paul estava a gozar à fartazana com a Big Old Amerikkka?

Foi isso que eu gostei mesmo do filme. Bom... isso e a morena. A.... bolas... casou com o gajo que ias às prostitutas... a.... olha... varreu-se-me.

Nuno Barros said...

Sim, poucos perceberam a sátira não só o gozo ao intervencionismo americano e aos perigos das ditaduras também. Deves te referir à Denise Richards e ao Charlie Sheen certamente