Thursday, February 02, 2006

Triângulo J





Triângulo J

Henrique Oliveira é daqueles nomes que aparentemente nos parece familiar mas não nos diz nada à primeira vista. Mas se eu disser que foi o guitarrista dos míticos Taxi já esboçamos um sorriso. Não porque nos lembramos exactamente de quem é mas pelas boas memórias que temos da banda. No entanto, acho que é mais importante e justo fazer-lhe o elogio não pela sua faceta musical, mas pela posterior carreira como produtor audio-visual onde eleva a fasquia da qualidade televisiva em Portugal.

A produtora Miragem na qual Henrique Oliveira foi uma peça pilar marcou o panorama televisivo nacional com séries como Claxon e Major Alvega. Sendo séries muito cuidadas em termos de estética, Major Alvega (com Ricardo Carriço) torna-se um case-study pela forma como funde imagens reais e a banda desenhada. Foi mesmo exportada para o mercado internacional e nomeada para um Emmy. A esta série está também curiosamente ligada ao talento de Rui Ricardo, famoso cartonista da Art Vortex (com Esgar Acelerado) e responsáveis pela Superfuzz, publicada semanalmente no Blitz.

Já com Hop!, a nova encarnação da extinta Miragem, Henrique Oliveira produz principalmente programas infantis como Batatoon e MartAtaka (do qual já tinha falado aqui). Agora é igualmente no campo juvenil que a Hop! dá novas cartas. Triângulo Jota baseado nos livros de aventuras juvenis de Álvaro Magalhães é uma nova aposta da RTP. E é uma cartada tecnologicamente forte. Pela primeira vez se filma uma série em Alta Definição em Portugal. A RTP consciente do investimento não emite somente a série nas manhãs infantis mas por enquanto exibe-a também pouco antes do Telejornal de Domingo.

Triângulo Jota demarca-se assim da concorrência, Uma Aventura da Sic e O Clube das Chaves da TVI. Com uma produção muito cuidada, pormenores como o genérico, cenários e iluminação são muito bons para o que se faz normalmente cá nesta categoria de programas. Pelo primeiro episódio, o jovem elenco principal está à altura na interpretação, algo que nas séries concorrentes muitas vezes falha. Os nomes de famosos actores que vão fazer uma perninha como convidados também é de elogiar (Nicolau Breyner, António Cordeiro, Paulo Pires, Adelaide Sousa, Rui Unas). Mas nem tudo parece ter resultado muito por culpa da especificidade deste episódio onde recorre a dobragens e a um casting um tanto erróneo para personagens orientais. Por certo neste aspecto a série há-de melhorar.

Esperam-nos mais doze episódios (um já foi emitido) de 50 minutos cada. Pela boa aposta desejo que esta série tenha sucesso para que a produção juvenil por cá melhore. Triângulo J torna-se agora o alvo a abater pela concorrência. É bom ver a RTP a fazer ficção nacional e sobretudo infantil. Entreter bem os "pequenos" também é serviço público...

Classificação

6 comments:

Anonymous said...

por acaso não me sabem dizer os nomes do elenco?

Nuno Barros said...

O site da RTP tem todas as informações necessárias em
http://www.rtp.pt/wportal/sites/tv/triangulo_jota/

jose said...

eu nem quis ver com medo de as minhas boas memórias dos livros ficarem afectadas. :)

Ricardo said...

Infelizmente em Portugal há muito “tele-lixo” e para melhorar a qualidade dos programas de televisão, é preciso de mais Henriques Oliveira e menos sic!

Vivo No Quebec (Canada) e pela primeira vez um canal de televisão de ca ( www.telequebec.tv ) apresentou uma produção portuguesa: Major Alvega. Era traduzido claro, mas estava lá bem escrito “produções miragem”

Vi o programa pela RTPi e confesso que fiquei surpreendido! Por isso concordo com o seu texto!

Nuno Barros said...

Caro Ricardo, é bom saber que os produtos pt são exibidos aí (mesmo dobrados). O Major Alvega já está um bocado afectado pela idade mas é um bom produto. Experimente ver o Claxon se conseguir. Obrigado pela visita e comentário :)

Diogo Rios said...

alguem me sabe dizer onde tem um resumo do livro ' triangulo jota, sete dias sete noites ' ou do ' triangulo jota, e a rapariga dos anuncios ' ? respondam por favor